Câmbio para 08/12/2019: R$4.20
Home Planos Coberturas
Adicionais
Saiba Mais Noticias Cadastre-se Contato
E-Mail Senha - Cadastre-se
- Esqueceu a Senha?
22/10/2019 13:52:33
Noticias

Seguro viagem: por que é importante contratar

Seguro viagem

Embarcar para um destino com seguro viagem parece uma coisa óbvia, mas apenas 37% dos brasileiros fazem isso em suas viagens nacionais, de acordo com dados da GTA. O número é bastante baixo, considerando-se a quantidade de imprevistos que podem acontecer.

Mala extraviada, necessidade de atendimento médico, remédio ou cirurgia urgente são apenas alguns dos exemplos. E não é só isso: para liberar a entrada de visitantes, alguns países exigem a contratação obrigatória de um seguro viagem com cobertura mínima de € 30 mil.

É o que acontece em países como PortugalFrançaEspanha e Alemanha, participantes do Tratado de Schengen. Não é que, necessariamente, vão querer ver sua apólice na imigração – mas se pedirem e você não tiver uma, podem negar sua entrada.

Isso sem falar que, ao viajar sem seguro, os custos dos imprevistos podem sair muito mais caros do que o valor investido na própria viagem.

Com isso em mente, é hora de procurar um seguro viagem que mais se adeque às suas necessidades.

Mas por onde começar?

O primeiro passo é o viajante pesquisar se há exigência de seguro viagem no destino. Se houver, ele já terá um bom norte a ser seguido, pois no mercado há vários produtos já formatados para tal exigência.

“Outro ponto importante para o viajante é listar suas condições, necessidades e atividades na viagem. Se é gestante ou vai praticar esporte profissional, por exemplo. Tais condições estão inclusas em alguns produtos do mercado, já em outros é necessário incluir. Por fim, o ideal é o viajante contar com a ajuda de um profissional capacitado para escolher o plano ideal, como um agente de viagens ou corretor de seguros”, comenta o diretor operacional e de Produtos da Vital CardRafael Turra.

�% importante saber qual tipo de cobertura o seguro viagem oferece
É importante saber qual tipo de cobertura o seguro viagem oferece (foto: shutterstock)

É fundamental, também, avaliar os itens de cobertura do plano a ser contratado. “O viajante deve ficar atento ao valor do capital assegurado (valor da apólice), pois dependendo dos riscos envolvidos em uma viagem, é interessante e mais seguro optar por uma cobertura maior. O valor gasto em determinado problema de saúde pode ultrapassar o valor investido na viagem. É importante saber se o atendimento será feito por uma central operativa ou pelo processo de reembolso. Muitos viajantes não se atentam às cláusulas do contrato”, destaca o diretor comercial da GTAGelson Popazoglo.

A opinião é a mesma da gerente de Produtos da Affinity SeguroValéria Pereira. “Há restrições em qualquer uma das contratações, por isso é importante que o consumidor tenha conhecimento do que está contratando para não ter surpresas”.

O risco do seguro de cartão de crédito

Caso o viajante opte por utilizar o seguro viagem de seu cartão de crédito, os riscos não podem ser ignorados, afinal, muitas vezes a cobertura oferecida não é suficiente.

“Neste caso, a única forma que os viajantes conseguirão entrar em contato com a seguradora é via telefone, fazendo uma ligação a cobrar (e se for via celular, o viajante pagará as despesas de roaming internacional). Agora imagine um viajante estando em outro país, tendo de descobrir como ligar a cobrar a partir de lá, ou, ainda, precisando ter uma linha habilitada em seu celular para uso internacional. Hoje em dia, quem viaja quer ter a praticidade de acionar seu seguro pelo mesmo meio em que se comunica com seus familiares: aplicativos (seja WhatsApp ou outros) e wi-fi do hotel. Isso o usuário não encontrará nos seguros ofertados pelo cartão de crédito”, reforça Turra.

Cartão de crédito
Contar com o seguro viagem do cartão de crédito nem sempre é uma boa ideia (foto: shutterstock)

O segundo ponto de atenção é que a maioria dos produtos do seguro de cartão de crédito são básicos e não ofertam toda a gama de coberturas possíveis. Por exemplo, alguns não disponibilizam cobertura para o extravio de bagagem, que é uma das mais utilizadas.

Já o terceiro ponto se refere ao tipo do produto, que não é personalizável à necessidade do cliente. Se a pessoa necessitar de um limite de cobertura médica maior, não conseguirá aumentar.

Seguro viagem é investimento, não gasto

Cada vez mais o seguro viagem deve ser visto como item indispensável no checklist de uma viagem.

“O seguro custa por volta de 1% a 3% do total de um pacote de viagem, valor baixíssimo frente ao que garante. Despesas médicas nos Estados Unidos, por exemplo, são caríssimas, chegando a US$ 8.000 por um simples atendimento de emergência, e 3 dias de internação podem custar facilmente US$ 60.000. Algo que no Brasil talvez seja barato, simples, e solucionável, no exterior poderá ser justamente o contrário. Somando isso ao idioma e desconhecimento do local, provavelmente será um grande desafio para um viajante sem seguro”, salienta o o diretor operacional e de Produtos da Vital Card.

Aos poucos, a consciência dos viajantes em torno dessas questões vai melhorando. “Atualmente já existe uma mudança de comportamento em relação ao seguro viagem. Há mais ou menos uns 15 anos, incluir o seguro em um pacote ou até oferecê-lo ao consumidor era mais complexo. Hoje em dia, até pela facilidade de obter informações sobre os acontecimentos do mundo pela internet, mídias em geral, televisão e outros meios, já é possível identificar que existe uma preocupação maior do consumidor com os possíveis imprevistos”, comenta a gerente de produtos da Affinity Seguro.

É importante lembrar que o seguro viagem é regulado pela SUSEP, autarquia responsável pela regulação e fiscalização do mercado de seguros do Brasil, e hoje o produto deve possuir coberturas básicas obrigatórias, como Despesas Médicas (principal cobertura do produto), Regresso FunerárioRegresso Médico e Traslado Médico.

Viajante no aeroporto
A maioria dos planos hoje contempla cobertura para despesas por atraso de bagagem (foto: shutterstock)

Além delas, a maioria dos planos hoje contemplam também cobertura para despesas por atraso de voo, por atraso de bagagem (que reembolsa despesas com roupas e artigos de higiene no caso de extravio de mala), a indenização no caso de extravio definitivo da bagagem, e também uma cobertura que começa a valer a partir da contratação do seguro, que é a de cancelamento de viagem.

“Essa cobertura visa garantir eventuais multas decorrentes do cancelamento da viagem, como por exemplo, por motivos médicos que impossibilitem o embarque. É importante que o cliente escolha o produto que possua a maior gama de coberturas inclusas, para não ser pego de surpresa”, finaliza Turra.

Sobre Produtos Dicas Redes Sociais
Quem Somos Europa Aplicativos de Viagem
Cadastro de Agências Nacional Mapas e Rotas
Contato Internacional Mapas de Metrô
Intercâmbio Aeroportos  
    Ligações a cobrar fora do Brasil  
Parceiros e premiações
  Assistência de viagem GTA - Global Travel Assistance 2019 - © Todos os direitos reservados.